Category: Filmes


Nick and Norah!

Olá, leitores e leitoras!

Desde que comprei meu notebook e coloquei internet aqui em casa, comecei um no vício: baixar filmes!

Não foram muitos, porém são significativos!! E um deles é Nick and Norah’s Infinite Playlist .

É um filme sobre adolescência produzido em 2008 dirigido por Peter Sollet e estrelando Michael Cera e Kat Dennings. Escrito por Lorene Scafaria e baseado no romance com o mesmo nome de Rachel Cohn e David Levithan, a estória conta sobre os adolescentes Nick (Cera) e Norah (Dennings), que se conheceram quando Norah pediu a Nick que fosse seu namorado durante cinco minutos.

Nick é um baixista hetero numa banda queencore (punk que fala sobre homosexualismo) sem bateirista. Ele levou um pé da bunda de Tris, a qual era devotamente apaixonado e que não era nem de longe o anjo que ele pensava.  Após mais um show de sua banda, chamada no momento The Fuck Offs (ex- Porn Yesterday, None of your Bussiness e outros huahuhauha), ele vê Tris and the new guy em meio a muvuca do Crazy Lou.

Nick and Norah Nick and Norah

Norah – que por acaso conhece a “vagabunda da Tris” (estuda com ela, e sabe do desprezo que ela sempre dispensou ao pobre rapaz que amava-a o suficiente para lhe escrever musicas de amor) – se aproxima de Nick e faz a proposta. Ela o beija e descobre quem é ele afinal.

Incentivado pelos amigos, Nick vai atrás de Norah e inicia-se uma noite de aventuras, descobertas, amizade e romance.

Inteligente e cativante são as palavras certas para descrever essa história. Uma química fantástica entre os personagem e autores fazem o livro fluir como uma boa musica no mp4..Para quem conhece e gosta de algumas bandas citadas o gostinho é extra então!

Olá, leitores e leitoras!!!

Nessa exato momento (21:19h do dia 03/04/2011) está passando no Warner Channel o filme “O Amor não Tira Férias”.

Adoooooooro essa filme. E uma das coisas que admiro é a fala da Iris (Kate Winslet) no início do filme. Olha só:

Shakespeare disse: ‘As viagens acabam em encontros de amantes… Que pensamento extraordinário! Pessoalmente, não experimentei nada parecido, mas creio q Shakespeare experimentou… Acho que penso em amor mais do que deveria. Sempre me surpreende seu poder de alterar e definir nossas vidas… Foi Shakespeare q tb disse: ‘O amor é cego!” Agora eu sei q isso é verdade. Para algumas pessoas, o amor desaparece… Amor falso. Para outras, o amor está simplesmente perdido. Mas é claro q o amor tb pode ser encontrado. Mesmo q só por uma noite… Há tb outro tipo de amor. O do tipo mais cruel. Àquele q quase mata suas vítimas. Chama-se amor não-correspondido…. E, nesse, sou especialista. Na maioria das histórias de amor, um se apaixona pelo outro… Mas e quanto ao resto? E as nossas histórias? Daqueles que se apaixonam sozinhos?… Somos vítimas do amor q não é recíproco.  Amaldiçoados pelos amados. Mal-amados… Feridos sem prioridade. Deficientes sem o melhor lugar no estacionamento… Sim, eu sou uma dessas pessoas”. Iris

Não é o máximo?!

J’adore

São tempos difíceis para os sonhadores…

Pois estragar a propria vida é um direito inalienável

Pintor: “Ela prefere imaginar uma relação com alguém ausente do que criar laços com aqueles que estão presentes.” Amelie: “Hummm, pelo contrário. Talvez faça de tudo para arrumar a vida dos outros.” Pintor: “E ela? E as suas desordens? Quem vai pôr em ordem?”

amelie

Estranho o destino dessa jovem mulher, privada dela mesma, porém, tão sensível ao charme das coisas simples da vida…

Então, pequena Amélie, os teus ossos não são feitos de vidro. Podes levar algumas pancadas da vida. Se deixares escapar esta oportunidade, eventualmente o teu coração vai ficar tão seco e quebradiço como o meu esqueleto. Então, vai apanhá-lo!

Amélie vai ao cinema de vez em quando, às sextas. “Gosto de observar na escuridão as caras dos outros espectadores. E de notar o pequeno pormenor que mais ninquém verá. Mas odeio nos antigos filmes americanos que os condutores não olhem para a estrada.” Amélie não tem nenhum homem; Experimentou uma ou duas vezes mas o resultado ficou aquém da expectativa. Em vez disso cultiva um gosto especial pelos pequenos prazeres. Mergulhar a mão em sacas de grão, partir o queimado do leite-creme com a ponta da colher…Fazer ricochetes na água do Canal St.Martin

Amélie Poulain

Então, minha querida Amélie, não tem ossos de vidro.
Pode suportar os baques da vida.
Se deixar passar essa chance, com o tempo seu coração ficará tão seco e quebradiço quanto meu esqueleto. Então, vá em frente, pelo amor de Deus!

Se Amélie prefere viver no sonho e ser uma moça introvertida é direito dela. Pois, estragar a p´rópria vida é um direito inalienável!

Apenas algumas frases desse filme maravilhoso, que eu adoro e me identifico!

 

Mary e Max

No último sábado, estava na casa do meu tio assistindo tv quando passou uma propaganda de um filme com personagens e cenários feito de massinhas usando a técnica do stop-motion.

Quando o narrador começou dizendo que o filme contava a história de uma menina que tinha olhos da cor de lama e um sinal da cor de cocô pensei (não sei por quê?!): acho que esse filme é legal!!! Meu tio passou no momento e comentou que o assistira na escola em que trabalha e confirmou o que eu havia pensado.

O que eu fiz para assistí-lo? Baixei da internet!!! Claro! E ele é realmente maravilhoso!

O filme conta uma história de amizade entre uma garota de 8 anos, Mary Daise Dinkle, e um homem de 44 anos, Max Jerry Horowitz, iniciada pela curiosidade de Mary em saber de onde os bebês americanos vêm.

“Com o palco montado, inicia-se uma longa e verborrágica discussão filosófica sobre religião, vida em sociedade, sexo, amor, confiança e, principalmente, a importância e o significado da amizade. As cartas também refletem a caótica estrutura racional de remetente e destinatário, sempre com um monotonia instigante. Ideias brilhantes (“se ao menos houvesse uma equação matemática para o amor”) surgem e são abandonadas em função de outra melhor, mais inocente ou simplesmente irrelevante.

Apesar de tratar de um tema quase extinto, os “pen pals”, amigos de correspondência, algo bastante comum poucas décadas atrás, Mary & Max encontra reflexo curioso na modernidade de redes sociais e programas de mensagens instantâneas. Memórias de amigos virtuais não se apagam mais queimando-se as cartas… mas nos blocks e deletes de perfil.”(1)

 Algumas frases/idéias que são citadas no filme que acho ótimas:

  • só há duas coisas infinitas: o universo e a estupidez do homem!
  • fada de tirar gordura, assim como a fada dos dentes (não é genial?!?!)
  • se um táxi andar p trás, o motorista tem q pagar?
  • todo ser humano é imperfeito, por isso, cada um tem que aprender à viver com seus defeitos.

Além da importância da amizade e outros temas, o que me chamou mais atenção e o que eu levo de mais importante para mim é que não devemos nos procupar com os outros e aprender à ser do nosso jeito. Cada um tem o seu tempo e não é preciso correr para ser igual à todo mundo, pois a beleza está em ser diferente, principalmente, PENSAR diferente!

FICHA TÉCNICA

Diretor: Adam Elliot Elenco: Vozes na versão original de Toni Collette, Philip Seymour Hoffman, Eric Bana, Barry Humphries. Produção: Mark Gooder, Paul Hardart, Tom Hardart, Bryce Menzies, Jonathan Page Roteiro: Adam Elliot Trilha Sonora: Dale Cornelius Duração: 92 min. Ano: 2009 País: Austrália Gênero: Animação Cor: Colorido Distribuidora: PlayArte Estúdio: Gaumont Classificação: 12 anos. Site Oficial: www.maryandmax.com

(1) Tirado do site: http://www.omelete.com.br/cinema/critica-mary-e-max/